sábado, 22 de maio de 2010

Ilha

Tomei-me, eu mesma, nos braços,
Você não estava lá,
Para me segurar.
A minha poesia me abandonara
E não tive onde ou com quem desabafar.
Seguir trilhas interiores para buscar
Algo ou alguém que me dê essa luz...
Um caminho penoso, porém essencial.
Descobrir o porquê dessa cruz.
Senti-me suspensa no ar,
Como que por algo metálico.
Impotente e vulnerável,
Chacoalhei-me e sei que lutei
Com persistência, ridiculamente,
Um tanto deplorável.
Tomei bebidas amargas sozinha.
A ressaca, somente a mim deu as caras.
Por que pede-me explicações
Sobre os meus atos,
Se nessas horas, comigo não estavas?!
Vem a chamar-me de meu amor.
Porém, esquece aquela beleza quase épica,
De um amor para o qual luta-se com bravura,
Para ser tão exato quanto aritmética.
Isolei-me, criei um mundo só meu.
Nele, virei sargento, dançarina, monja, vadia.
Você pode ser ser um homem que não,
Mas essa mulher aqui tornou-se uma ilha.

4 comentários:

Lí Dias. disse...

queria me sentir jovem como quando o mundo era novo
Queria me sentir organizada, como uma biblioteca
Queria me sentir valorizada, como em 2050 ( sim sou vidente)
Queria me sentir como quando eu era criança.

Mas não sinto nada além de uma grande saudade do que não vivi.
Queria ter estado na revolução de oaxaca, no haiti em 1791, na revolta dos malês e em tantos outros lugares,
Queria ser o mundo.
Queria querer...
Queria poder.
Mas cá estou, um pouco de Rosa parks, um pouco de Flora tristan e de dandara, todas moram em mim.
Todas moram em vocÊ.
Cá estou namorando uma ilha de longe, percebo várias figuras e nenhuma.

Querer. sentir.fingir...fugir.

Todas as ilhas são misteriosas, desconhecidas e admiradas exatamente pelo seu mistério.
Todas as ilhas proporcionam felicidade e alegria
Todos querem ser donos de uma ilha
mas poucos sabem que ilhas não tem donos, só visitantes.

A ilha tornou-se inspiração, o sorriso distração.
Nessa natureza não interfiro, mas com minhas palavras decifro.

Ilha, não permita que te destruam ou que te escondam nesse grande mapa
Mas me preocupo muito, ilhas tendem a desaparecer.


Perdão pelo desabafo
mas gosto de ler o que você escreve,Bom Dia e boa semana.

Carina Prates © disse...

Imagina, Lí, pode desabafar à vontade! Adoro seus comentários. =)

É tanta coisa pra se pensar. A saudade do que não viveu, dos lugares em que não esteve, das pessoas as quais não se conviveu. Pensava que só eu tivesse essa sensação, aliás, várias vezes pensei que sou louca, que o problema sou eu, enfim... Faço parte desse mundo também.

Gostei muito da sua análise sobre as ilhas, me fez ampliar a minha percepção da própria poesia em si.

Não se preocupe, ilhas desaparecem, mas outras surgem. Tudo isso faz parte de um ciclo.

Bjo, boa semana e muito obrigada pela visita.

Lí Dias. disse...

* Contanto que a nova ilha que surgir contenha as mesmas areias da ilha que desapareceu...
Asim não importa em que mar que a ilha vai ressurgir... terá sempre os mesmos fragmentos encantadores.



perdão pela demora.

Carina Prates © disse...

Adorei o "encantadores". ^^

ShareThis